23 de Março de 2017 - Campinas/SP
Página Principal  / Cadernos de Acidentalidade

Estatísticas de acidentes em Campinas


Consulte nos links abaixo as estatísticas de acidentalidade no trânsito de Campinas nos últimos seis anos: 

Caderno de acidentalidade no trânsito em Campinas - 2009


Caderno de acidentalidade no trânsito em Campinas - 2010

Caderno de acidentalidade no trânsito em Campinas - 2011

Caderno de acidentalidade no trânsito em Campinas - 2012

Caderno de acidentalidade no trânsito em Campinas - 2013


Caderno de acidentalidade no trânsito em Campinas - 2014 

Caderno de acidentalidade no trânsito em Campinas - 2015

Esses índices pautam programas de segurança do trânsito da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec). Os números subsidiam a implantação de políticas públicas, através de ações integradas de engenharia, educação, operação e fiscalização de trânsito.


Entenda a metodologia

O processo de registro estatístico inicia-se com o recolhimento dos Boletins de Ocorrência (BOs) relacionados a acidentes de trânsito nas vias sob gestão municipal, elaborados pelas Companhias da Polícia Militar  (PM) instaladas em Campinas.


Após o recebimento dos boletins, é feita a triagem do material e a conferência de dados, apurando, por exemplo: 


- Se o acidente aconteceu em vias urbanas do município; 

- Se os dados do local e dos veículos envolvidos estão corretos; 

- As características do local do acidente; 

- Se há mais de um boletim para o mesmo acidente, em função de os condutores envolvidos registrarem a ocorrência em companhias diferentes; nestes casos, só é considerado um BO.


Após essa etapa, os boletins são processados no Sistema de Controle de Acidentes de Trânsito da Emdec.


Os dados dos acidentes de trânsito são georreferenciados um a um, subsidiando, assim, as ações integradas para a redução da acidentalidade.


Vítimas fatais

A metodologia da Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere considerar como morte por acidente de trânsito todo óbito registrado até 30 dias após a ocorrência,  uma vez que a grande maioria das mortes ocorre nesse período. Já a metodologia utilizada pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) considera vítima fatal aquela que morre no local do acidente.


Em Campinas, considera-se vítima fatal quem morre em razão das lesões decorrentes de acidentes de trânsito a partir do momento do acidente até 180 dias após sua ocorrência, desde que o laudo do Instituto Médico Legal (IML) comprove que a causa mortis foi o acidente.


Os dados de óbitos são encontrados nos registros dos seguintes órgãos, pertencentes a serviços públicos de saúde e segurança:


- Instituto Médico Legal (IML);

- Delegacias de Polícia Civil;

- Serviços Técnicos Gerais (Setec);

- Polícia Militar (PM).


Após a recolha de todos os dados dessas quatro fontes de informação, são realizados os seguintes procedimentos:


- Exclusão das vítimas fatais de trânsito mortas nos hospitais de Campinas, mas acidentadas em outras cidades, e das vítimas fatais de trânsito sempre que o IML, órgão regional, tiver realizado o exame de necropsia sem o fato ter ocorrido em Campinas;

- Verificação de informações de vítimas fatais que não constavam no IML, mas sim em outra fonte, porque o acidente pode acontecer em Campinas, na divisa de municípios, e a vítima ser socorrida e levada para hospital de outra cidade. Se a vítima morre, a necropsia é feita pelo IML daquela cidade;

- Constatado que se trata de vítima de um acidente de trânsito, os dados são incluídos no Banco de Dados, com as respectivas informações.


Deste modo, obtém-se um banco de dados confiável das vítimas de acidentes de trânsito nas vias sob gestão do município, subsidiando com dados estatísticos a implantação das políticas públicas de Mobilidade Urbana.

Serviços


EMDEC - Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas S/A - CNPJ 44.602.720/0001-00
Rua Dr. Salles Oliveira, 1028, Vila Industrial, CEP 13035-270 - Campinas/SP - (19) 3772-1517


© Copyright. Melhor visualizado em 1024x768. Site homologado para navegadores: IE10, Chrome30, Firefox30 e superiores.
Interagi Tecnologia